(0 votes)




De dentro das catacumbas leviatânicas
Um sopro de inverno dos mortos que ascendem
Dançam alegres bebês
Enforcados em seus cordões umbilicais
Ao som de estupros necrofílicos
Sou um cadáver que te banha em podridão
Eis me aqui jogado ao chão

O senhor dos Céus caiu por terra e morto agora ele jaz
Reino de mentiras que chega ao fim
A estrela da manhã renasce... brilhe! Viva!
Por detrás dos montes da vida chegam as luzes da verdade
Queimando as vidas dos cordeiros cegos
Contorcionistas das dores
Retorcem-se sobre suas covas coletivas
Ubi dubium ibi libertas... assim proclamaremos!

Preparamos a exumação
Daquilo que não deveria retornar
Mas em todos os corações sempre estará
Meu coração já não pulsa... é gelo, é escuridão
É teu fim certo, lento e sofrido
Névoas da escuridão rodeiam minha inexistência
Enquanto cinzas quentes queimam tua vida fraca
Você brinca com teu coração pulando sobre uma faca
E quando se der conta não saberá qual o teu berço
Será abortado de teu quente lar
Na cova coletiva de todos os não-vivos
Ali eternamente teus restos permanecerão
Em meio ao vazio e ao nada... apenas silêncio e escuridão


Comentários  

0 #1 RE: Alegorias da Morte IH. R. Sales 21-05-2011 13:46
Muito bom!
Citar

Poesias

Banner
Facebook Page: estronhobook Twitter: estronho YouTube: EditoraEstronho
Nós temos 27 visitantes online