ERA UMA VEZ NO SPAGHETTI WESTERN: O ESTILO DE SERGIO LEONE

ESTR0053

Produto Novo

R$ 37,80

-30%

R$ 54,00

AUTOR: RODRIGO CARREIRO
 

No começo dos anos 1960, produtores europeus se lançaram à tarefa de realizar westerns. Durante quase duas décadas, realizadores de Itália, Espanha, França e Alemanha lançaram 550 filmes dentro desse ciclo de produção, que ficou conhecido como spaghetti western. Críticos prestigiados espinafraram as obras e seus diretores, mas isso não impediu que o subgênero se tornasse sucesso de público. Um diretor foi o grande responsável por esse fenômeno. Sergio Leone introduziu humor negro e ironia no gênero, representou os caubóis como homens sujos e criou novas técnicas de representação imagética e sonora. Este livro examina todos os filmes de Leone, analisando exaustivamente cenas importantes para encontrar e explicar os padrões recorrentes de imagem, som e narrativa que constroem o estilo do diretor. O estudo aponta, ainda, a influência exercida pelos filmes dele na gramática do cinema comercial contemporâneo, e defende a tese de que Sergio Leone possui a mesma estatura de grandes renovadores da linguagem cinematográfica, a exemplo de Jean-Luc Godard e Ingmar Bergman.

Adicionar à Lista de presentes

através da compra deste produto você pode ganhar até 3 pontos de fidelidade. Seu carrinho vai fornecer 3 pontos de fidelidade que podem ser convertidos em um cupom de R$ 1,80.


Assunto Pesquisa
Idioma Português
Mídia Impressa
Formato 15,5 x 22,5 cm
Nº de Páginas 272
Capa Normal
Papel Offset Cinza 75g

Escrever uma avaliação

ERA UMA VEZ NO SPAGHETTI WESTERN: O ESTILO DE SERGIO LEONE

ERA UMA VEZ NO SPAGHETTI WESTERN: O ESTILO DE SERGIO LEONE

AUTOR: RODRIGO CARREIRO
 

No começo dos anos 1960, produtores europeus se lançaram à tarefa de realizar westerns. Durante quase duas décadas, realizadores de Itália, Espanha, França e Alemanha lançaram 550 filmes dentro desse ciclo de produção, que ficou conhecido como spaghetti western. Críticos prestigiados espinafraram as obras e seus diretores, mas isso não impediu que o subgênero se tornasse sucesso de público. Um diretor foi o grande responsável por esse fenômeno. Sergio Leone introduziu humor negro e ironia no gênero, representou os caubóis como homens sujos e criou novas técnicas de representação imagética e sonora. Este livro examina todos os filmes de Leone, analisando exaustivamente cenas importantes para encontrar e explicar os padrões recorrentes de imagem, som e narrativa que constroem o estilo do diretor. O estudo aponta, ainda, a influência exercida pelos filmes dele na gramática do cinema comercial contemporâneo, e defende a tese de que Sergio Leone possui a mesma estatura de grandes renovadores da linguagem cinematográfica, a exemplo de Jean-Luc Godard e Ingmar Bergman.