Christopher Kastensmidt - Foto Divulgação

ENTREVISTA:

Ademir Pascale: Como foi o início de Christopher Kastensmidt no meio literário?

Christopher Kastensmidt: Tive o costume de escrever por toda a minha vida, mas tirando alguns casos isolados, só comecei a levar a sério a ideia de escrever para publicar a partir do ano 2004. Escrevi um romance em 2004 e 15 contos em 2005 (uma produção em número que nunca mais igualei). Entrei em dois grupos de escritores, Speculations e Critters, onde fiz amizades que continuam até hoje.
Em agosto de 2005, tive pela primeira vez um conto aceito para publicação, “Daddy's Little Boy” (“Filhinho do Pai”), para qual a revista Deep Magic me pagou $25 para os direitos de primeira publicação. A revista Nowa Fantastyka também comprou o direto de publicar o mesmo conto em polonês por $50. Na época, a revista tinha distribuição de 40.000 cópias mensais. Essas pequenas conquistas me inspiraram para continuar adiante.

Ademir Pascale: Você abandonou um emprego bem remunerado de engenheiro na Califórnia para se juntar com uma empresa de videogames no Brasil. Teve algum momento em que você sentiu medo em seguir essa empreitada, ainda mais sendo num outro país?

Christopher Kastensmidt: A situação foi ainda pior que isso, porque a empresa de videogames não tinha faturamento nem como me pagar. Muitas pessoas nos Estados Unidos e no Brasil expressaram a opinião que eu tinha enlouquecido por até cogitar uma coisa dessas.
Porém, a regra que uso para guiar minha vida é de sempre seguir o caminho, pois se não o tivesse seguido, com certeza me arrepender depois. Naquela época, vi uma oportunidade interessante no Brasil, um potencial enorme, e eu sabia que, se eu não  tentasse, iria sempre ficar pensando o que podia ter acontecido. Também é importante levar estas escolhas a sério, ir com tudo. Então vendi meu carro e tudo mais que tinha nos EUA e cheguei aqui com duas malas na mão. Demorou dois anos para ter algum retorno financeiro, gastei tudo que eu tinha guardado e conseguido na venda das minhas coisas. Tiveram uns momentos, sim, em que pensei “o que estou fazendo aqui?”, mas pelo menos nunca faltou a determinação para continuar até o final. Ainda bem que deu certo. Trabalhei com a Southlogic Studios durante dez anos, e conseguimos vender a empresa para a Ubisoft, a empresa que criou alguns dos meus games favoritos de todos os tempos.

Ademir Pascale: Como foi o seu trabalho como Produtor e Diretor Criativo dentro da Ubisoft?

Christopher Kastensmidt: Diretor Criativo para mim é o melhor cargo na indústria de jogos. É o análogo do diretor de cinema, a pessoa que tem controle criativo sobre os produtos. É uma chance de trabalhar tanto com a equipe de arte quanto de tecnologia para estabelecer uma visão para o produto.
Trabalhar na Ubisoft teve muitos benefícios legais, por causa do contato com outros estúdios. Na época, Ubisoft tinha estúdios em mais de vinte países. Fui para França para um treinamento de game design e conheci desenvolvedores do mundo inteiro. Também visitei Ubisoft Montreal e visitei quase todas as equipes lá. Foi uma experiência espetacular.

Ademir Pascale: Por favor, fale sobre as suas premiações na literatura fantástica.

Christopher Kastensmidt: Este ano recebi bastante reconhecimento pela obra “O Encontro Fortuito de Gerard van Oost e Oludara”, uma história de espada e feitiçaria ambientada no Brasil Colonial. O principal reconhecimento foi a indicação como finalista para o Prêmio Nebula de Melhor Noveleta do ano. Quem conhece o Nebula sabe sua importância na comunidade de literatura fantástica mundial. É dado pela associação de escritores profissionais de ficção científica e fantasia dos Estados Unidos (SFWA). Concorrer este prêmio foi algo que nunca sonhei na minha vida. Também recebi o prêmio Realms of Fantasy Readers' Choice Award para melhor ficção do ano, e o conto foi obra indicada para a formação de jovens leitores pela Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo, onde tive a honra de falar na frente de quase doze mil adolescentes.
O conto tinha sido muito bem recebido pelos críticos no ano passado, mas nunca imaginei que ia ter repercussões deste tamanho. Às vezes, fico me questionando se este ano aconteceu mesmo...

Ademir Pascale: Como foi publicar o livro Duplo Fantasia Heroica 2 (Devir, 2011), em parceria com Roberto Causo?

Christopher Kastensmidt: Duplo Fantasia Heroica 2 contém as continuações dos dois contos do primeiro volume (o meu e o do Causo). O Causo me convidou para participar do primeiro livro da série logo após conversar comigo no Fantasticon do ano passado. Ele gostou muito do propósito de fantasia ambientada no Brasil antigo, algo que ele mesmo produz há anos na sua Saga de Tajarê, histórias publicadas primeiro na revista Dragão Brasil e no livro A Sombra dos Homens (também pela Devir). Causo é um ótimo parceiro, um dos grandes editores e escritores da FC do Brasil. É uma honra poder trabalhar com ele.
O meu conto no Duplo Fantasia Heroica 2 foi inédito, publicado pela primeira vez no Brasil, e logo vou poder anunciar onde ele vai aparecer pela primeira vez em inglês, um lugar que vai chamar atenção. O terceiro já está pronto para publicação, e deverá aparecer no volume Duplo Fantasia Heroica 3 em algum momento indefinido do ano que vem.

Ademir Pascale: Além de escrever muito, você cuida da sua família, ministra aulas em três universidades e faz consultoria sobre criação de propriedades intelectuais e narrativas. Como você administra o seu tempo?

Christopher Kastensmidt: Muito mal! É difícil mesmo. O que tem sofrido mais é a escrita, por falta de tempo. Nos últimos três anos, desde o nascimento do meu filho, consegui terminar apenas cinco contos, uma miséria. Ao mesmo tempo, completei um mestrado, escrevi uma dissertação e publiquei vários artigos acadêmicos, além dos meus compromissos profissionais. Agora que o trabalho do mestrado terminou, espero organizar meus compromissos para deixar pelo menos dois dias da semana só para escrever. Tenho vários projetos a começar, e se tudo der certo, vou ter uma produção muito maior no ano que vem.

Ademir Pascale: Em parceria com a Editora Argonautas, você fará parte da 1ª Odisseia de Literatura Fantástica de Porto Alegre. Como estão os preparativos para este grande evento?

Christopher Kastensmidt: O evento está conseguindo boas proporções além das nossas maiores expectativas. Temos mais de quarenta participantes confirmados, desde autores locais como Leonel Caldela, Christian David e Simone Saueressig, até pessoas de outros estados, como Gerson Lodi-Ribeiro, Ana Cristina Rodrigues e Silvio Alexandre. Temos também oito editoras confirmadas. O apoio tem sido excepcional, dá muito orgulho fazer parte desta comunidade de FC no Brasil.
O evento acontecerá nos dias 27 e 28 de abril no Memorial do Rio Grande do Sul, um prédio histórico lindíssimo no centro de Porto Alegre. Todos são convidados e a entrada é livre. Vamos fazer de tudo para organizar um evento inesquecível, cheio de alegria e até algumas surpresas...

Ademir Pascale: Quais dicas você daria para os novos autores?

Christopher Kastensmidt: Escreva muito e leia mais ainda. Procure críticos além dos seus conhecidos. Termine uma obra, deixe ela de lado e comece outra. Não perca tempo e energia tentando vender seu primeiro livro até terminar o segundo, quando vai poder voltar para o primeiro com um olho crítico mais afiado. Escrever bem é um longo caminho, e a paciência é a melhor qualidade do escritor.

Perguntas Rápidas:

Um livro: The Sum of All Men, David Farland
Um(a) autor(a): Tim Pratt
Um ator ou atriz: Edward Norton (mas só se apagar da memória sua participação naquele filme miserável do Hulk)
Um filme: As Aventuras do Barão de Münchausen

Ademir Pascale: Deseja encerrar com mais algum comentário?

Christopher Kastensmidt: Agradeço muito pela oportunidade de fazer esta entrevista, foi uma honra e um grande prazer! Eu também gostaria de compartilhar o link para a minha série de fantasia brasileira "A Bandeira do Elefante e da Arara" www.eamb.org/brasil, e o site da Odisseia de Literatura Fantástica odisseialitfan.wordpress.com.

CLIQUE SOBRE A CAPA PARA SABER MAIS SOBRE O LIVRO



Duplo Fantasia Heroica 2 (Devir)


© Cranik

*Você poderá adicionar essa entrevista em seu site, desde que insira os devidos créditos: Editor e Administrador do http://www.cranik.com : Ademir Pascale - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. - www.twitter.com/ademirpascale
Entrevistado: Christopher Kastensmidt.
E nos informar pelo e-mail: ademir@cranik.com

Entrevistas

Facebook Page: estronhobook Twitter: estronho YouTube: EditoraEstronho
Nós temos 4 visitantes online