(33 votes)
Ele viajou para Minas Gerais e já eram umas 22 horas, a noite já deixou a cidade escurecida, o ambiente de ruas em estilo antigo colonial davam um ar levemente sombrio ao lugar, ele observava uma Igreja católica tradicional, mais uma daquelas lindas construções mineiras do interior, essa era mais uma cidadezinha de criminalidade quase inexistente.

Um homem estava andando pelas ruas naquela noite, Hector era seu nome, um homem alto e moreno por volta de 32 anos, seu corpo era forte e delineado, tinha um rosto de traços mestiços com barba e bigodes bem aparados, olhos castanho escuros penetrantes e e longos cabelos castanho escuros cacheados até o meio das costas; usava um medalhão bem exótico todo em prata ao pescoço, uma camisa azul de mangas curtas e botões feita de um tecido levemente brilhoso e fino, estava com uma calça comprida preta de brim bem solta no corpo, um cinto preto básico e um par de sapatos pretos comuns e uma mochila preta às costas.

Hector estava pronto para uma aventura nova, dessa vez ele quis ser ainda mais ousado e sabia que poderia conseguir realizar uma nova maneira de se divertir. Hector pensou em entrar, mas antes encontrou com sua amiga pela qual já havia chamado pelo seu telefone celular.
Logo em minutos de conversa fora da igreja Hector já estava acompanhado por Anna, uma mulher de baixa estatura por volta de seus 28 anos, pele morena de corpo sinuoso e torneado, tinha traços de rosto indígena, olhos amendoados castanho escuros e cabelos pretos e lisos até os ombros; vestia um vestido decotado roxo claro e justo até os joelhos e sandálias brancas com um saltinho.
Ambos entraram juntos na igreja e constataram que ela estava vazia, Anna e Hector se desejavam naquele momento, eles não se amavam, só desejos luxuriosos tomavam conta daquelas almas heréticas e pagãs naquele momento, a igreja era uma ótima opção para uma grande travessura, uma travessura inesquecível e até arriscada. Com uma grande bolsa preenchida por várias tralhas, Hector calculava como seria divertido curtir uma perversão fetichista dentro daquela igreja, mesmo Hector passando mal dentro de igrejas seus malefícios físicos e mentais estavam reduzidos, isso por não ser horário de uma missa, ele já havia planejado algo, bastava cumprir seu plano com ajuda dela...

Num súbito ataque de libido Anna foi puxada pela cintura e se tocavam forçados contra a parede mais próxima da entrada da igreja, beijaram-se freneticamente quase sufocando o ar do outro, depois ela o beijou no pescoço chupando-o devagar e o fez chegar próximo ao banco da igreja só para empurrá-lo fazendo com que ele caísse deitado aguardando o calor de seu corpo por cima do seu. Hector a sentiu quente e com os pêlos arrepiados arranhando sua pele já excitada.
As portas da igreja já estavam fechadas, os amantes não viram o padre por perto e queriam fazer uma loucura libidinosa, quanto mais luxurioso melhor seria. Hector trancou as portas por dentro usando uma tora de madeira pesada e grossa que tinha por atrás da mesma.

- Tá gostando disso, né danadinha? Pois vai melhorar e muito! Que tal botar o padre como "voyeur" só pra destruir a fé dele lentamente por hoje? - disse Hector enquanto beijava  o pescoço de Anna e a apertava com suas mãos grandes e fortes, ela fazia o mesmo e assim ambos se provocavam ao mesmo tempo.
- Sim seu herege devasso, adoraria vê-lo perturbado com o antagonismo entre sua fé e o desejo sexual. Será uma provocação deliciosa. Um pecado doce e bem temperado que vai arder lentamente em nossas línguas e muito mais na alma dele! - disse Anna com seu olhar malicento e seus cabelos já bagunçados e enquanto ela beliscava os mamilos de Hector com as unhas por dentro de sua camisa de botões sendo abertos.

- Venha comigo, vamos nos divertir, trouxe umas surpresinhas pra gente se deliciar com essa nossa fantasia insana - ele a puxou pelo braço com força, correndo com ela silenciosamente com um olhar doetio e um riso sarcástico na face. Anna estava muito excitada, seria uma aventura das mais divertidas e quem sabe perigosas que havia vivido, poderia ser uma história das mais marcantes de sua vida a contar por gerações.
- Estou louco para criar minha heresia luxuriosa, você irá me ajudar a realizar esse sonho devasso! - disse Hector observando a beleza do patrimônio artístico e cultural do ambiente da igreja. O casal foi para a sacristia procurando o quarto do padre. Hector e Anna desejavam tornar daquela noite a mais excitante, estavam até levemente trêmulos com sentimentos mistos entre prazer e medo. Hector arrombou a porta com um grampo de cabelo da sua amante e o usou como faria o personagem MacGyver em seu típico seriado oitentista homônimo. Logo lá estavam os dois devassos na sacristia, Hector retirou um lenço e um frasco com clorofórmio, assim ao colocar o pano umedecido no rosto do padre o fez perder os sentidos. O jovem padre que aparentava ter menos de 35 anos, era um homem moreno claro, forte e alto, de rosto bem feito, com olhos verdes claros, cabelos escuros muito curtos e lisos; ele era um homem bonito e usava um pijama fechado para dormir, sua batina estava pendurada em um cabide junto a parede.
Anna pensava que era lamentável ver um padre tão jovem e belo desperdiçando sua juventude seguindo aquela religião que para ela e para seu amante não passavam de um grande comércio e manipulação sociopolítica, financeira e cultural, para eles o padre deveria curtir tantos prazeres quanto a vida pudesse proporcionar.
Hector arrastou o padre para fora do quarto e pela sacristia, Anna pegou sua batina ajudando seu amante a vestir a tal traje no padre para que a fantasia ficasse mais autêntica, exatamente como suas mentes lascivas e  indomáveis haviam planejado antes, em seguida o levaram ao altar. Com esforço Anna e Hector o amarraram em uma enorme e resistente cruz de madeira muito antiga que o altar da igreja possuía. - É impressionante o que acabamos de fazer, veja! O padre ficou muito engraçado amarrado na cruz, parece agora um reflexo distorcido de um réu patético da era bíblica - disse Hector que tratou de amordacá-lo com sua faixa sacerdotal e contemplou aquele ato como um de seus maiores triunfos heréticos, algo para ampliar seu ego que não era pequeno.

- Meu herege, o que faremos agora? - disse a pervertida Anna com um olhar malicioso ao abraçá-lo por trás, ela o abraçava olhando o padre afastado acima. - Vamos esperar, minha luxuriosa parceira. Ele deve acordar para nos ver em ação, precisará descobrir o prazer luxurioso que despertará inveja, dor, cobiça, luxúria, a ira por si mesmo e rebeldia com o mundo que o privou de tais prazeres. Será lindo vê-lo tão humano e distante de suas convicções espirituais - após esse comentário Hector se calou, contemplou a imagem do padre amarrado, virou-se de frente para ela e a beijou com leves mordidas de lábios e chupadas de língua, ele se inclinou e suas mãos apalpavam suas coxas pelas laterais, ela se esfregava contra seu abdome. Eles se enroscavam em uma potente atração se roçando pelas paredes, chegando a bater com com seus corpos na base da cruz onde prenderam o padre.

- Hector seu pervertido! Possua-me em cima do altar agora, quero sentir nossos corpos quentes movendo-se sobre essa mesa! - estavam de costas para o altar se beijando, a mulher gemia enquanto ele estava de cabeça baixa, seu rosto e mãos estava enfiados em seu decote retirando seus seios lentamente de dentro do vestido, suas unhas curtas estavam arranhando os mamilos excitados da devassa, seus dedos foram molhados dentro de sua própria boca e assim ele chupava, mordiscava, lambia e alisava seus seios provocando delírios. Anna deu mais gemidos fortes e alguns gritos de antecipação seguiram, seus mamilos estavam endurecendo lentamente dentro dos lábios do herege.
Em certos momentos se excediam e ficavam mais intensos nas carícias, depois voltavam a ser meticulosos em fazer tudo de forma mais lenta para que cada minuto de prazer fosse intenso e duradouro, ambos estavam tomados por um instinto irracional de puro desejo onde só a libido e a diversão de um humor negro muito sarcástico estavam presentes.

- Sua vadia! Eu vou te dar o que você merece! - ele retirou a camisa, sapatos e meias colocando tudo ao chão, permanecendo somente com seu medalhão ao peito, em seguida soltou os cabelos e a segurou a parceira firmemente pela cintura levantando seu corpo macio e pequeno e colocando-a sob a mesa do altar de madeira de lei e tinha uma linda toalha branca bordada com temas cristãos cobrindo-a. Após Hector a levantar ela estava sentada e enganchou suas pernas contra o quadril do homem, abraçados eles se beijaram intensamente novamente na boca e no pescoço, ele voltou a brincar com seus seios enquanto se revezava alisando suas coxas e outras partes do corpo. Ela também retribuía todas as carícias com alta maestria dignas de uma profissional do sexo que não era.
Poucos minutos depois uma movimentação atrás deles se fazia presente, era o padre se mexendo amordaçado voltando a consciência, preso na cruz que acordava naquele instante observando o início da relação, seu olhar era confuso e assustado, contraiu os olhos franzindo a testa numa expressão incógnita que parecia uma mescla de raiva e medo, talvez se perguntasse o motivo de toda aquela promiscuidade dentro do solo sagrado da igreja.

- Que lindo querida, o nosso "respeitável" padre acordou para ver nossa "festinha"... vamos ver o que ele vai achar de tudo - Hector a dominava com jeito, ela sentia a respiração ofegar. Anna delirava com as brincadeiras pervertidas e queria mais, ela estava com o busto do vestido aberto deixando seus belos seios visíveis enquanto olhava o padre. Ela arranhou de leve o peito de Hector e começou a descer seus beijos da boca ao queixo, depois foi ao pescoço e desceu até os mamilos onde se fartou em retribuir as carícias antes feitas em si. Vários gemidos de prazer de ambos estavam enchendo o local, uma fragrância sexual tomava conta daquele altar, dessa vez não tão sagrado e agora pervertido e maculado estava como bem diria Hector com suas piadas de humor negro e todo o sarcasmo típicos de um demônio bíblico.  

- Minha vez seu safado! - ela o virou para o lado com um desejo incontrolável se deitou sobre ele de pernas abertas e após alisá-lo, beijou-o e recomeçou a chupar seus mamilos com uma fome louca de sexo, ele gemia alto, urrava e olhava provocantemente para ela. Suas línguas estavam quentes e os lábios bem vermelhos, tudo estava bem melhor que o esperado.
Ela retirou o vestido e o jogou ao chão ficando só com uma calcinha preta de rendinhas bem provocante.
- Cachorra! Vadia! Puta! Você é minha! - Hector falava aos urros e olhava o padre curioso. Olhares lascivos e silenciosos do celibatário observavam a luxúria profana, ele estava totalmente quieto após fechar tanto os olhos evitando tais visões perturbadoras a sua fé antes considerada inabalável, mas os sons da devassidão despertaram-lhe instintos adormecidos que atraíram sua atenção para a cena.

- Padreco sem-vergonha, seu filho da puta! Sacerdócio e celibato são pura demagogia, bem que você quer dar uma boa trepada gostosa com essa puta que eu tô comendo na sua frente. Você deseja isso faz tempo... Sabia que seus superiores são duplamente mais devassos que eu no Vaticano? Você bem que sabe disso e finge não saber, mentir e omitir faz parte da cartilha de aprendizado de todo grande líder religioso ou não? - o casal se acariciava, então ela desceu a cabeça beijando sua barriga lentamente até abrir seu zíper, ele puxou do bolso uma cartela com umas 4 camisinhas aromatizadas e retirou sua calça ficando somente com uma cueca boxer bem colada ao corpo deitado sobre a mesa.

- Uva ou morango? - ousadamente perguntou o herege com um olhar esnobe passando a língua comprida umidificando seus lábios carnudos. - O senhor padre tem cara e quem curte uva, pois seu saco por falta de tapas sexuais deve ser como uma uva passa seca e atrofiada por falta de uso. - ria o herege enquanto ela puxava sua cueca para baixo retirando-a e logo já estava masturbando seu pênis com as mãos. Anna abriu rápido a camisinha de uva, colocou-a sobre seu pênis usando a boca para guiá-la até a base, depois começou a chupá-lo bem devagar masturbando o membro habilidosamente e estimulando o saco de seu amante com muita malícia digna de uma prostituta de luxo.
O padre estava notavelmente excitado, seus olhos brilhavam com uma malícia quase macabra, mais parecia um demônio lascivo que viveu por anos isolado de seu maior prazer. O padre estava suando um pouco na testa, olhava fixamente para o corpo da jovem amante, ele gemia tanto em repressão por estar preso e amordaçado e por antecipação pela excitação sexual.
Depois de vários minutos transando faziam pouco mais de 1 hora desde o início da transa e ainda ambos tinham muita energia.

- Lá se foi nosso sonho da dar um rapidinha! - ela parou de fazer o incrível sexo oral que ó ela sabe fazer e ela puxou uma outra camisinha, esticou-a, rompeu com o dente abaixo do halo, deu mais um corte vertical e puxou a camisinha abrindo-a como um retângulo, depois pediu para que o infiel lhe retribuísse a carícia. Ele retirou sua calcinha rapidamente e colocou o retângulo com cuidado em cima de sua vagina, logo Hector começou a brincar com aquela vulva quente e lubrificada de uma forma preventiva quanto a qualquer DST. Para eles a segurança no sexo fazia parte da brincadeira sem que perdessem a libido por esses detalhes.
O padre estava impressionado com sua batina pontuda na frente devido a sua excitação sexual, ele se consumia de desejo, pela sua expressão só queria uma noite de sexo por prazer, sem medo ou culpa.
- Se eu fosse o Diabo já teria comprado algum favor dele em troca da mulher ou teria até comprado sua alma. - isso dava ainda mais vontade de transar com ela. - Tudo está melhor do que eu imaginava... -  Hector filosofava enquanto provocava a excitação de Anna.

- Seu fracassado! Sua fé podre não vai te salvar, um devasso como você devia dar uma boa transada, ou prefere brincar com crianças como fazem seus colegas de profissão? - o herege riu enquanto chupava e lambia a amiga, Anna com humor negro sarcástico - Você por alguma ironia do destino é considerado um funcionário público, então já que o Estado te fode que tal dar uma foda boa pra relaxar e mandar tudo pra vala? - Os amantes riam e continuavam a carícia oral com movimentos de mãos alisando um ao outro, eles pareciam um casal de polvos entrelaçados se tocando em múltiplas tarefas. O padre estava com seus olhos furiosos e ainda gemia alto, pareciam urros misturados de ódio e luxúria, medo de seus deus e ao mesmo tempo curiosidade em experimentar o sexo com aquela dama babilônica.

- Isso! Esculacha esse otário, vamos ver ele "brincar" comigo depois, a fé dele já era! - a moça se revezava entre os gemidos de prazer e risos maldosos. O padre estava excitado, ele gemia baixinho e seu olhar era de um faminto ambicioso diante de um banquete. - Ele já se esculachou, acho que gozou só de nos ver. Vê se não suja a batina seu bucha! - o herege parou de falar quando ela puxou seus cabelos e  fazendo-o voltar ao prazeroso sexo oral.
Depois ele parou de chupá-la, ela implorou para que a penetrasse e ainda provocou o padre dizendo que ele seria o próximo. Anna se divertiria quando seu amigo herege fosse embora. Hector tirou a camisinha aromatizada e colocou outra mais convencional e lubrificada, logo começaram uma longa transa cheia de rebolados em uma dança impulsiva de prazeres físicos, de vez em quando diminuíam a força de movimentação para se acariciarem de forma mais suave e voltavam a rebolar com força novamente.

O padre ficou ainda mais excitado e conseguiu libertar uma das mãos que Hector deixou propositalmente afrouxada na corda para que ele fizesse algo, então ele ao invés de tentar se libertar alisou com a mão do seu peito até o seu sexo por cima da batina e continuo se alisando lentamente. Enquanto isso seu adversário rebolava com a mulher, juntos mudavam as posições sexuais.

- Gostou do movimento padreco? Ela será sua se negar sua fé que já está perdida, eu sou o herege e te dou a liberdade de viver todos os seus pecados sem culpa e medo dessa utopia maldita do Clero e do Vaticano. - o padre olhava fixamente para os seios fartos dela sacudindo levemente enquanto seu inimigo lhe pressionava com seu rebolado provocante.
Ela alisava o inimigo da fé católica, arranhava-o de leve em seu peito, enquanto se mexia por cima de seu corpo. O padre suava ainda mais com suas mãos esfregando seu pênis, alisava-se com força por cima da batina e Hector ria alegre ao ver o desespero do padre que ainda parecia tentar evitar aquela situação decadente.

- Pega o vinho aí... vamos beber! - ela queria beber aquele vinho vagabundo, talvez mais barato que ela, apesar do delicioso sexo louco ela era sua amiga para grandes horas. Ele pegou a garrafa e copos descartáveis na bolsa, abriu a garrafa nos dentes puxando sua rolha, depois tomando um grande gole entregou metade da bebida no beijo com ela. O padre estava alisando seu pênis em uma masturbação lenta e prazerosa por cima da batina, dava para sentir ele se desviando, ele estava ficando descrente... a heresia estava surtindo efeito. Hector se sentia o cafajeste mais ousado e delicioso do mundo, sua heresia mesmo que afetando a um só padre já era suficiente para seu currículo espiritual.
Já deviam ser mais de 1:40 minutos de transa e até agora só ela tinha tido orgasmos, metade deles só nas preliminares, o resto foi por penetração e provocação. O padre devia estar quase gozando, logo seria possível vê-lo com a batina molhada na frente, ele tirou a mordaça e ainda estava com o resto do corpo preso.

- E aí padreco "voyeur", foi bom pra você? - rebolava o herege por cima da vadia, ela ria e gemia ao mesmo tempo, ela adorava isso, mordia sua orelha. - Tem inveja de mim e deseja possuir essa mulher em cima do altar da missa como eu fiz? Sei que sim! - continuavam a transar, um pouco mais lento para que pudessem falar ofegantes e transarem ao mesmo tempo, algo incomum mas não impossível para bons amantes.

- Maldito herege, seus dias estão contados, não adianta me desviar, eu sei que sou puro você é um ser tocado pelas Trevas, ou melhor, prostituído pelas Trevas! Você é uma besta vinda do Inferno, um anjo caído poluído pela luxúria e degradação moral - ele berrava, mas ninguém o ouviria. Ainda excitado ele o ofendia e seu inimigo ria, sabia de seu auto-engano e sentia seu desvio de fé. - Sim, sou um puto que se diverte e ama o pecado! Diferente de você aceitei minha natureza pecaminosa e me divirto com isso, amo minha vida e não a troco pela incerteza da santidade pregada pela sua religião que só sabe ser hipócrita, demagoga, preconceituosa, estagnante, manipuladora, capitalista e tudo mais que for ruim. Ah... como queria que lesse meus livros sobre todas as mentiras do Catolicismo... você poderia ser mais um novo herege. - disse-lhe seu inimigo olhando fundo nos seus olhos, ele estava furioso e muito excitado.

- Não me diga que não gostou... vi o tesão em seus olhares libidinosos reprimidos ao olhar o corpo dela. Você fala de moral pra mim? Moralista safado! - ela mudava de posição sentada em seu pênis rebolando muito para frente e para trás apertando a pelve dele com suas coxas - Você a deseja seu padre pervertido, seu enrustido de merda! Quando eu acabar de dar essa transa você também fará sua "festinha" com ela.
- Maldito herege, vou lhe excomungar e endereçar sua alma ao Inferno!- disse o padre ao olhar atônito e ainda desejoso concentrando o olhar na mulher deitada em êxtase atrás de Hector. - ele fechava os olhos, mas no fundo queria espiar mais, suas mãos estavam trêmulas, devia ser por tesão reprimido após anos de celibato, isso se ele seguia mesmo seu voto de castidade.

- Sim, pode me excomungar agora, mas primeiro terá de me fazer ser comungado, nunca passei nos testes de catecismo, sempre fui o aluno mais rebelde e reprovável. Se o Céu está cheio de proselitistas cristãos e o Inferno está cheio de hereges libertinos pode apostar que escolherei a segunda opção. - disse para o padre com a cara de quem já destruiu um homem e sente prazer nisso. Ela ria de tudo que o padre dizia e mandava beijos e lambidas pra ele com o olhar mais provocante que seus olhos amendoados podiam fazer. - Esse padre é um tarado ainda mais devasso do que nós, espere e verá, eu vou ensinar a ele o que é uma putaria! - disse Anna deitada embaixo de Hector.

- Sou herege com orgulho e sua fé já está perdida, ainda bem que neguei todos os sacramentos católicos desde os 18 anos. Agora você é só um homem que de santo não tem nada, deve ser ainda mais lascivo que eu, tire logo essa batina e transe com essa vagabunda, encha a cara com o meu vinho barato comprado naquela birosca podre na ponta da esquina e pare com essa vida de autoenganos.
Nessa igreja precária tem um vinho bom, a gente vai beber dele! Ainda sobrou muito vinho, transar bebendo será delicioso, tome esse rolo de camisinhas e faça a festa. - finalmente beberam mais um pouco, não estavam bêbados, Hector contou mais erros da Igreja Católica ao transar e foi possível ver o padre se perder em uma grande descrença digna de um ateu, ele estava excitado e triste, realmente humilhado.
Após tantos fatos finalmente Hector se concentrou novamente na transa e teve finalmente seu orgasmo, livrou-se da camisinha, fez mais um carinho em Anna e foram juntos ao banheiro com as roupas nas mãos, banharam-se rápido no chuveiro daquele banheiro bem tratado da igreja e em poucos minutos voltaram já vestidos de mãos dadas para ver o trapo que sobrou do padre.

- Qual o seu nome padre? - perguntou Anna olhando para o decadente ser excitado amarrado na cruz.

- Sou o padre Evandro, sua prostituta babilônica! Sua alma já se perdeu com essa noite de depravações. - respondeu o padre, veemente e desejoso. - Que lixo vocês são, com certeza o inferno os aguarda e o Diabo também, não passam de hereges lascivos e malditos que vivem a incomodar a Santa e Madre Igreja, a única salvação para a humanidade em decadência!

- Não me venha com essa mentira descarada, você perdeu sua fé e eu ganhei uma das melhores transas da minha vida e agora sou mais poderoso, tanto como herege e tanto como um homem de vida sexual ativa. Contemple o pecado, somos frutos dele e assim sempre seremos! A perfeição e sua busca tola deveriam ser sim um pecado, pois tal busca moral só nos leva a um estado de hipocrisia e demagogia. O pecado é parte de você, modere seus instintos, mas nunca os destrua! Evandro, agora irei libertá-lo tanto em corpo como em mente. - Evandro foi desamarrado das cordas na cruz e o desceu com as pernas amarradas, foi tomado o cuidado para não ser golpeado por ele que ainda estava muito furioso, mas completamente perdido em pensamentos, sua fé já estava aniquilada e ele tinha um olhar incógnito de sentimentos misturados, poderia ser perigoso deixar o padre solto próximo a Hector, mas ele não tentou bater nos dois, estava chocado, ainda estava com seu pênis ereto por trás da batina que vestia, olhava para Anna fixamente.

- Sua fé se perdeu e agora ganhe de consolo a melhor transa da sua mórbida existência. Querida Anna, você é minha melhor amiga sexual e essa transa foi a melhor, foi nossa mais louca aventura. Tenho uma longa lista de trabalhos e estudos pela frente pelas próximas semanas, daqui a 2 semanas e alguns dias a gente se vê pra aprontar uma lá em casa ou na sua. - Hector arrumou a mochila deixando para Anna somente camisinhas, vinho e copos, penteou seus cabelos rápido e olhou pra trás após dar um beijo final na amiga pervertida.

Hector acenou com um sorriso para o padre que estava ao chão, sentado estava o padre tentando soltar as amarras de suas pernas enquanto o herege saía devagar da igreja, se sentindo o cara mais completo do mundo mesmo sendo um aventureiro excêntrico e solitário.
Foi-se embora o herege Hector ouvindo Anna dizer: "vem meu padre safadão, me chama de cachorra e me come gostoso!", estava indo embora sabendo que o padre ia transar, beber, se libertar de dogmas, de votos e de qualquer coisa que o incomodasse criando sua falsa felicidade. Para Hector era lindo libertar mais alguém do Catolicismo Romano, era um prazer orgasmático.

- Seu herege! Você deturpou minha fé me libertando dessa ditadura salvadora, agora resta-me o consolo de concluir meu pecado para pagar minha penitência. - ele gritou para Hector que estava de costas andando, ele parou por um momento com um grande sorriso brilhante no rosto.
- Divirta-se meu novo livre-pensador, descubra que ser humano pode ser o máximo se não seguir essa cartilha ultrapassada e mal traduzida que chamam de Bíblia Sagrada, mais da metade do que tem nela é bobagem, agora você já sabe um pouco do que sei, com o tempo poderá me procurar para que eu lhe passe textos comprovando que tudo que você vivia antes de hoje era apenas mais uma mentira, uma das maiores mentiras da humanidade: a Igreja Católica Apostólica Romana. - ambos estavam pensativos, Hector voltava a caminhar rumo a porta da igreja e Anna estava quase chorando de tanto rir.

- Curta a vida enquanto ainda a tem - Hector se virou uma última vez e viu o padre libidinoso agarrado ao corpo dela sendo despido, ela ainda estava muito excitada após vários orgasmos, seu amigo continuou andando como sempre em linha reta com um largo sorriso na face. Ele resolveu não olhar para trás, deixou os dois na intimidade e resolveu pular a janela próxima a porta para que nada atrapalhasse o casal.

Hector andava calmo pelas ruas rumo ao bom hotel da cidade, ele dormiria muito satisfeito, sua aventura lhe trouxe o sabor de sexo e vinho aos lábios. Ele sabia que sexo era bom e uma companheira decente é melhor ainda, mas peças soltas não se encaixam e forçar é sempre pior, por isso contentou-se com aventuras casuais ao invés de um sólido romance cheio de amor.
Como todo herege Hector sempre foi péssimo em seguir certas regras, já que até na genética conseguiu ser uma exceção, nascendo com um sangue raro como o A negativo. Dessa vez Hector seguiria novamente para uma nova semana de aventuras incríveis, nenhuma delas provavelmente seria sexual, apenas tinha sido presenteado com o novo prazer de desviar a fé de um padre; para ele faltou um rádio tocando um Heavy Metal, Gótico e uns rocks interessantes, até uma Ópera agitada cairia bem naqueles momentos inesquecíveis, mas tudo estava completo, mais uma semana teria início.
Sua melhor transa com uma amiga íntima por 2 horas foi ótima, ele comprovou sua competência como herege, sua capacidade de ser um bom amante, vigor físico para o sexo e ainda o mais importante e memorável de tudo: realizou sua heresia sexual na igreja!


- Mensageiro Obscuro.
Janeiro/2006.

Comentários  

0 #1 O do turbanteVisitante 02-07-2006 21:45
Cara, voce naum se confundiu de site naum? Ta mais pra www.contoseroticos.com.br/lugares_bizarros do que Estronho.
Citar
0 #2 NinhaVisitante 04-07-2006 11:58
É o fim da picada esta história aqui no site. Sou Católica, se os Padres erram ou não quem vai julgar é Deus, vou a Igreja não por causa do Padre, mas por que acredito e tenho fé em Deus. Se estão a fim de destruir a Igreja através destes contos, eu me recuso a continuar participando deste site, sou a favor da liberdade religiosa,cada um escolhe a sua e procura ter como exemplo não os padres, mas Jesus o Cristo, ter como exemplo o amor, principalmente ao próximo e a respeitar as pessoas, não importa se são padres ou não, pois as pessoas não são todas iguais, não vamos generalizar.


Guardião retruca indignado: Ninguém está generalizando nada. Isso é um conto de ficção. E como toda ficção, deve ser apreciada em seu valor literário. Ninguém aqui está indo contra ou a favor da igreja, ou de quem quer que seja. "destruir a igreja" foi algo bem dramático e piegas, diga-se de passagem. O Estronho é um site que, dentre outras coisas, dá oportunidade para escritores publicarem seu trabalho. Não me importa nem um pouco a religião de cada um que visita o site. Se você não tem bom senso e não sabe diferenciar ficção de realidade, então sinta-se à vontade para não visitar mais o site.
Citar
0 #3 Thunder LuteroVisitante 05-07-2006 12:41
Muito bom seu conto, nos faz pensar realmente no que somos...
Citar
0 #4 SimpsonVisitante 05-07-2006 20:52
Isso realmente é ridículo. Nada a ver com o site. O cara que escreveu deve ser um doente mental. E dúvido que foi o guardião que retrucou indignado, foi outro doente mental. Este perfil psico-patológico é aliás um padrão bastante comum e recomenda-se ajuda profissional.


Guardião retruca de novo: Meu caro, se não fui eu quem retrucou, quem poderia ter acesso as mensagens. Você reparou que está escrito na própria mensagem, assim com na sua? E outra... Se não fosse eu, eu deixaria passar o comentário com um falso Guardião? Sem comentários...

E outra... A indignação é pela idiotice de atacar um texto que é uma ficção.
Citar
-1 #5 NinhaVisitante 06-07-2006 15:56
Poxa pelo jeito o guardião aprecia mesmo esse conto de fadas. Selvageria sexual pura. Eu adoro comentar os textos, gostaria de não ser criticada pelos meus pontos de vista, pois querendo ou não este texto é uma crítica pura á Igreja, já que tantos leitores tem acesso a isso, poderão tirar uma conclusão muito negativa a respeito do assunto.Por isso, concordo com o cara que acha que ele se confundiu de Site.Quem quer erotismo, procure outro site. O que eu procuro aqui são assu tos extraordinários , estronhos, eesquésitos sobrenaturais e muita diversão, gosto muito de interpretar textos, comento em muitos deles.


Guardião comenta: Ninha, você tem todo direito de criticar o que quiser, claro. Mas veja, o site não vai deixar de publicar um conto porque é erótico ou vai contra a igreja. O que vale pra essa seção é o conteúdo literário. Que fique bem claro que eu não quero sair por ai matando padres nem querendo transformar o Estronho em site erótico.
Citar
+1 #6 Zinedine ZidaneVisitante 06-07-2006 17:01
Olha cara estou excitado,seria um bom conto se esse site fosse o www.contoseroticos.com.br..mas como não é tenho que concordar com os outros....e só para dar uma descontraida VIVE LE FRANCE,ALLEZ LE BLEUS :D
Citar
+1 #7 - Srta. Defunta .Visitante 06-07-2006 19:45
Legal seu conto erótico,haushau s
Citar
0 #8 Ninha.Mensageiro Obscuro 08-07-2006 02:11
Saudações obscuras!

Concordo com o Guardião.

Eu não gosto da Igreja, mas isso não é uma pregação ou generalização para depreciar a ICAR, isso é um conto, uma ficção, se você se sentiu lesada sinto muito, mas o errado na história é o padre e se algo ainda precisar ser corrigido no texto para fazer um distanciamento quanto ao anticatolicismo eu o farei.

Não é necessário sair do site por minha causa, existe uma diversidade de pessoas em cada local, se tentar fugir de todos os locais por não terem pesosas como deseja nunca conseguirá viver em sociedade. Obrigado por expressar sua crítica.

Abraços obscuros.
Citar
+1 #9 O do turbante.Mensageiro Obscuro 08-07-2006 02:15
Saudações obscuras!

Não gostei da roupagem do site que você indicou... é muito imoral para que ue ponha um texto meu por lá.

Resolvi colocar meu texto aqui para comparilhar essa obra o público alternativo que o visita.

Abraços obscuros.
Citar
+1 #10 Obrigado a todos!Mensageiro Obscuro 08-07-2006 02:18
Saudações obscuras!

Agradeço a todos que leram, criticaram, sugestionaram amaram e odiaram, o importante é lerem e darem suas opiniões.

Abraços obscuros.
Citar
+1 #11 Simpson.Mensageiro Obscuro 08-07-2006 02:22
Saudações obscuras!

Não sou doente mental, comprovei isso com dois testes consecutivos de sanidade mental que fiz por certos acontecimentos ocorridos durante minha infância, os dois laudos com psiquiatras diferentes e competentes é que minha sanidade mental é mais perfeita que a média mundila, logo sou tão ou mais saudável até do que você.

Talvez quem muito reclame tenha inveja ou está inconformado com a estilística e estética da arte exótica que faço.

Adeus.
Citar
-1 #12 louca obscuraVisitante 14-07-2006 16:16
para mim vc é o proprio demonio :sad:
Citar
0 #13 Visitante 14-07-2006 17:04
Legal,achei interessante seu texto. Na verdade mostra nada mais nada menos do que a verdade, padres, pastores, rabinos, pais de santo. São todos homens, quem vai negar que tem desejos sexuais. A diferença é que a ICAR, "proibe" seus sacerdotes, de manterem relações, mas quem pode afirmar que elas não acontecem as escondiadas, quantos casos nós vemos na tv, jornais e etc, de estupro, assedios, etc...
Não sou católica, mas não tenho nada contra quem é, só acho que está na hora do Clero, rever sua possição quanto ao celibato. Se fosse para vivermos sozinhos Deus não teria criado o homem e a mulher. Inclusive há uma passagem na Bíblia que diz: "Não é bom que o homem viva sozinho..."
O conto nada mais é do que um conto, não devemos leva-lo tão a sério, é apenas uma estória esquésita. :D :D :D :D :D :D
Citar
0 #14 Louca Obscura.Mensageiro Obscuro 17-07-2006 09:32
Saudações obscuras!

Eu um demônio? Não creio nisso, certamente não o sou... hehehe.

Obrigado pela sua opinião.

Abraços obscuros.
Citar
0 #15 Jô.Mensageiro Obscuro 17-07-2006 09:32
Saudações obscuras!

Você teve uma boa interpretação quanto ao meu conto, mas tenho muitas mensagens a passar por ele, mas deve ser estudado como ficção e não como uma ofensa aos católicos como muitos podem pensar.

Celibato pra mim é antinatural... imagine só, tenho 22 anos, se eu casar espero que seja após os 40, então eu teria que ficar em celibato por 18 anos caso quisesse casar? Teria que resistir aos estímulos de minha companheira sexualmente atraente e ela deveria fazer o mesmo? Não!
Se eu não experimentar o sexo antes do casamento como saberei se minha companheira irá satisfazer meus desejos físicos? Só desejo mental sem complementação física não me completaria, sou bem concreto, por isso critico o que foge a lógica que rege minha interpretação.

Obrigado por sua opinião.

Abraços obscuros.
Citar
0 #16 fatyVisitante 20-07-2006 14:19
Conversinha excitante essa do seu conto...pena ter terminado,tava boa a prosa ... :D
Citar
0 #17 Bah* 01-08-2008 21:08
O seu conto naum tem nda a ver com o objetivo do site o conto e bem excitante e tal mas naum tem nenhum tpo de relaçoes demoniacas e assustadoras eu acho q vc devia publicar seus contos em sites de contos eroticos ou se vc achar o conteudo do site nau apropriado pros seus contos crie um blog pra vc publicar seus contos e uma boa pedida
Atençiosamente, Bah*
Citar
0 #18 eitaaaalekka 22-10-2009 19:31
bom embora eu de muit valor a religiao,de modo ficticio gostei do conto vc tem uma imaginação excepcional,par abens
so q vc devia descrever melhor o local
mas muito bom nunca havia lido algo assim
Citar
0 #19 doidos são aqueles que expressa sua sabedoriaAndré 22-05-2010 21:37
existem coisas além do céu e a terra que ainda são inexplicável!

a igreja apareceu num ato de poder...
de confundir as nossas cabeças.

e em termos de sentimento, com certeza, você está num ato demoníaco.

"faças o que queres pois é tudo da lei"



a diferença entre nós e os "outros animais" é que pensamos. e pelo o mau uso desta, é por isso que no mundo existe tanta destruição. ou seja, a sabedoria tanto pode libertar como também pode destruir...
Citar
0 #20 RE: Heresia Sexual, na Igreja!elias 28-02-2011 01:04
boa história,intere ssante.
Citar
0 #21 Sobre o ContoBosco Chancen 12-10-2011 17:01
Misturar erotismo e cristianismo será sempre visto como uma mistura polêmica;o que torna impossível que o autor desconheça, por completo, o efeito de um conto como esse; para mim, não há nenhum problema nisso; o que deveria ofender mais os devotos ñ deveria ser o conto em si, mas a polêmica história da igreja, uma história feita de violência e estupidez. O que faltou ao conto foi argumentos filosóficos e históricos para sustentar seu conteúdo. PARA LER ESTÓRIAS BIZARRAS E MATÉRIAS SOBRE ROCK, ACESSE: cerebrau.com.br
Citar

Contos Estronhos - Contos e Crônicas

Banner
Facebook Page: estronhobook Twitter: estronho YouTube: EditoraEstronho
Nós temos 8 visitantes online