(2 votes)


Subgêneros do Horror - parte final

É sabido que o cinema de horror é rico em biodiversidade e isso contribuiu muito para causar certa bagunça na hora de catalogar os subgêneros existentes. De certa forma os filmes de terror têm uma genealogia básica para separarem os seus filões entre os espectadores e foi pensando nisto que resolvi fazer um pequeno glossário sobre os subgêneros existentes no cinema de horror para acalmar algumas cabeças que, assim como eu, se preocupam em saber em qual categoria se aplicam seus filmes preferidos.

Já de antemão explico que não sou um PhD no assunto (apenas um alucinado colecionador e espectador de filmes de horror), então caso encontrem qualquer erro ou discordância nos textos e explicações na matéria não deixem de avisar na página de mensagens do site.

O Horror agradece!!!

[ leia também: PARTE 1 - PEQUENA HISTÓRIA DO HORROR NO CINEMA ]
[ leia também: PARTE 2 - E O GÊNERO HORROR AVANÇA PELA DÉCADAS SEGUINTES ]


PARTE 3 - RESUMO SOBRE SUBGÊNEROS NO CINEMA DE HORROR

B Movies - O termo Filme B foi usado originalmente para se referir a filmes de Hollywood destinados a serem a "outra metade" de uma sessão dupla, que geralmente apresentava dois filmes do mesmo gênero (faroeste, gangsters ou horror).

Nos tempos dos maiores estúdios de cinema, essa terminologia era oficialmente usada para este fim, que também forneceu a nomenclatura de atores "A" ou "B" (por exemplo, Ronald Reagan, o 40º presidente dos Estados Unidos, fez carreira atuando em filmes B). As principais produtoras tinham unidades próprias para esse tipo de filme, mas também havia pequenos estúdios como PRC, Consolidated, Ajax, Mascot, Puritan, Monogram, Principal etc, que se especializaram em fazer filmes B. Esses estúdios eram referidos como pertencentes ao Poverty Row (Cinturão de Pobreza), termo usado para designar coletivamente as companhias localizadas numa região de Hollywood chamada Gower Street, que produziam filmes com orçamentos extremamente reduzidos.

Vários desses estúdios, entre eles Mascot e Monogram, fundiram-se em 1934 e formaram a Republic Pictures. Apesar de ter produzido alguns filmes de orçamento considerável, a Republic nunca perdeu a fama de estúdio de segunda classe, mesmo porque ela foi a rainha dos filmes B. O fim da chamada "Era de Ouro de Hollywood", que se estendeu dos anos 1920 até os anos 1950, resultou não só no fechamento dessas companhias como também no fim dos próprios filmes B, independentemente de terem sido produzidos por grandes ou pequenos estúdios. A maior parte dos cinemas 'drive-in' fechou, e as exibições duplas rarearam. Hoje a distinção entre Filme Classe A e Filme B é feita levando-se em conta outros critérios, além do orçamento.

Splatter - É um tipo de filme de horror que exagera nas tomadas de sangue e violência. Iniciado como um subgênero a parte na década de 1960 com os filmes de Herschell Gordon Lewis e David F. Friedman, alguns exempos são Blood Feast (1963), Two Thousand Maniacs! (1964), Color Me Blood Red (1965), The Gruesome Twosome (1967) e The Wizard of Gore (1970). Anos depois surgiu a série de Sam Raimi chamada Evil Dead ("Noites Alucinantes", no Brasil), além dos filmes de Peter Jackson Bad Taste e Braindead, que trazem uma sanguinolência excessiva e não-realista, combinando horror e comédia. Jogos Mortais que teve até o momento sete filmes também explora esse gênero. Estes filmes, com o uso de efeitos especiais e excesso de sangue e vísceras, tendem a mostrar um interesse evidente na vulnerabilidade do corpo humano ea teatralidade da sua mutilação. O termo "cinema splatter" foi cunhado por George A. Romero para descrever seu filme Dawn of the Dead.

Torture Porn
- A combinação de violência gráfica e imagens de conotação sexual em alguns filmes tem sido rotulada como "torture porn" (tortura pornô) ou "Gorno" (um amálgama dos gêneros "gore" e "porno").

Gore - Um termo utilizado para representar filmes onde a escatologia é exagerada, com cenas de sangue em excesso, órgãos expostos e outras nojeiras. Em geral, esse tipo de filme atrai muitas pessoas aos cinemas pelo conteúdo chocante, liberando um certo prazer mórbido, mas muitos os vêem como um cinema liberal, inventivo e com muita qualidade

Terrir
- Terrir é uma modalidade de filmes de terror cujo absurdo e exagero nas cenas são marcas registradas. Geralmente trata-se de filmes B de baixo orçamento, atores desconhecidos e com roteiros cheio de falhas e clichês, o que vem a acrescer um tom cômico. Muitas vezes também a atenção do espectador é presa por seqüências de sexo desnecessário ao enredo, o que destoa da proposta do Terror/Horror propriamente dito.

O termo Terrir é exclusividade da língua portuguesa, visto que foi cunhado pelo diretor Ivan Cardoso que se diz um adepto do estilo. Pode-se dizer com certas restrições que corresponderia ao trash movie americano. Sua idéia veio justamente da proposta de fazer filmes de terror para rir, daí a definição Terrir.

Existe duas maneiras de um filme de terror se enquadrar como Terrir: propositadamente ou não. Exemplos de filmes de terrir propositais: O Segredo da Múmia (Brasil, 1982), As Sete Vampiras (Brasil, 1986), Bad Taste (Nova Zelândia, 1987), Braindead (Nova Zelândia).

Trash - A definição de filme trash ainda é muito discutível, mas em geral trata-se de filmes de baixo custo, ou que aparentam ser, usando de equipe ou material baratos. Muitas vezes são associados a filmes de terror, mas um filme (ou vídeo) trash é uma estética que pode ser usada em qualquer gênero.

Eventualmente são chamados de filmes trash as produções amadoras, usando-se de camcorders domésticas.

Slasher - Slasher é um subgênero de filmes de terror quase sempre envolvendo assassinos psicopatas que matam aleatoriamente. Pecando em vários sentidos em sua produção tanto no roteiro quanto na atuação, edição, fotografia, música e envolvendo muito sangue. Normalmente são feitos com baixo orçamento, daí são constantemente nomeados como "terror b".

O nome "slasher" foi criado porque o princípio básico do filme é o de um assassino serial mascarado ou fantasiado que vai coletando vítimas e mais vítimas ao longo do filme, até ser revelado sua identidade misteriosa pela protagonista que, após fugir o filme inteiro, acaba matando o vilão.

Muitos filmes se destacaram ao longo dos anos desde que o gênero se submeteu. Tendo como precursor o clássico "Halloween", de John Carpenter, trazendo consigo todo o potencial dos filmes e seus clichês, além de ser a estréia para o mundo de Jamie Lee Curtis.

Fan Film - Fan films são produções independentes relacionadas a uma obra existente (não necessariamente outro filme), criado por fãs. Um exemplo são os vídeos sobre Star Wars, com diversos projetos finalizados e em andamento.

Um fan film pode ser considerado como uma mídia que está ganhando mais espaço com a internet e uma forma de artistas se expressarem e criarem filmes pelo fato de gostarem e não por fins lucrativos. Alguns são feitos como projetos escolares, fã trailers, etc. Variam na qualidade podendo ser desde um curta-metragem até um longa-metragem como em alguns fan films de Star Wars.

A tecnologia requerida para criar um fã film era um fator limitante até pouco tempo. Em 1960 um estudante americano de cinema criou uma série de curtas em preto e branco baseado em filmes de terror conhecidos, e também outros filmes se baseando em heróis da época de 1940 até 1950. Na mesma época o artista Andy Warhol produziu um filme chamado "Batman VS Drácula". Somente nos anos 70, com a popularização das feiras de ficção, os fãs puderam divulgar seus filmes para o mundo.

Em geral um fan film não recebe autorização dos produtores, mas em casos notáveis pode ser reconhecido.

Giallo - De origem italiana, filmes "giallo" mostram vítimas de crueis assassinatos que desencadeiam investigaçõers detetivescas. São chamados de "Giallo" (amarelo), devido a essa cor ser a predominante nas revistas populares que foram a inspiração desse subgênero. O primeiro filme dessa onda é La ragazza che sapeva troppo. Outros exemplos são 4 mosche di velluto grigio, Il gatto a nove code, L'uccello dalle piume di cristallo, La coda dello scorpione, La tarantola dal ventre nero, Lo strano vizio della Signora Wardh, Sei donne per l'assassino, e Tenebrae. Dario Argento, Lucio Fulci e Mario Bava foram os mais conhecidos diretores desses filmes.

Vomit Gore - É um subgênero criado pelo cineasta (emetófilo) underground Lucifer Valentine que consiste em uma espécie de torture porn com sessões de jatos de vômitos reais!!!

A franquia "endiabrada" de L. Valentine foi encerrada como uma trilogia que conta a história de uma stripper bulímica que vendia a alma para o Diabo em um motel qualquer. Em ordem cronológica os filmes são:

Slaughter Vomit Dolls (2005)
ReGOREgitated Sacrifice (2008)
Slow Torture Puke Chamber (2010)


Exploitation - Exploitation é um gênero de filmes que aborda de modo mórbido e sensacionalista a temática que trata.

Um filme exploitation depende profundamente da propaganda sensacionalista e de um grande e mórbido exagero acerca dos temas descritos. Freqüentemente são de baixa qualidade em todos os sentidos, embora não seja sempre assim, existindo alguns que merecem elogios por parte da crítica e que reúnem um grande número de seguidores, convertendo-se em filmes cult. Os filmes de caráter exploitation possuem diversas ramificações entre si como, por exemplo: Blaxploitation, Nazixploitaion, Sexploitation etc.

Snuff - Filmes snuff são filmes que mostram mortes ou assassinatos reais de uma ou mais pessoas, sem a ajuda de efeitos especiais, para o propósito de distribuição e entretenimento ou exploração financeira. Embora existam muitos filmes que de fato mostram mortes reais, a existência de uma indústria financeira em torno deste tipo de filme geralmente é vista como uma lenda urbana.

Pornochanchada - Pornochanchada é um gênero do cinema brasileiro, comum na década de 1970. Surgiu em São Paulo, e contou com uma produção bem numerosa e comercial. A mais conhecida produção era a da chamada "Boca do Lixo", região de prostituição existente na zona central da cidade de São Paulo.

Dessa fonte despontaram vários diretores de talento (Cláudio Cunha, Alfredo Sternheim, Ody Fraga e Fauzi Mansur entre outros) que souberam usar o que dava bilheteria na época (sexo) para fazer filmes de grande valor estético e formal. Chamado assim por trazer alguns elementos dos filmes do gênero conhecido como "chanchada" e pela dose alta de erotismo que, em uma época de censura no Brasil, fazia com que fosse comparado ao gênero pornô, embora não houvesse, de fato, cenas de sexo explícito nos filmes. Dentre as pornochanchadas que flertaram com o horror temos "Seduzidas pelo Demônio" (de Raffaele Rossi - 1975), A Reencarnação do Sexo (de Cláudio Cunha - 1981) e As Sete Vampiras (Ivan Cardoso - 1986) entre outros. Nos EUA é conhecido por softcore.

Thriller - O limite entre o filme de suspense e o de terror. O thriller é um filme policial por natureza, mas com uma quantidade maior de sangue e mortes violentas. Alguns exemplos de thrillers são: Psicose (1960), O Silêncio dos Inocentes (1991), Seven (1996) e The Horsemen. O thriller italiano é comumente conhecido por "giallo".

Chambara - Na década de 1970 uma onda de revisionismo e não-tradicionalismo mostrado em filmes de samurai ganhou popularidade no Japão. Chamado de chambara, que seria o som (onomatopéia) do choque das espadas, esse estilo teve suas origens nos filmes de Akira Kurosawa, que mostravam uma amoralidade e violência exagerada. Mas o estilo que se tornou popular era basicamente o dos mangás de Kazuo Koike, cuja maioria desses filmes se baseou. Os Filmes Chambara tinham pouco do estoicismo e sensibilidade dos antigos filmes jidaigeki - agora o protagonista é um anti-herói em busca de vingança, em meio a cenas de nudez gratuita, sexo, lutas de espada e galões de sangue, que jorram dos cortes e decapitações. Filmes mais conhecidos são (nomes em inglês) Hanzo the Razor, Lady Snowblood, Lone Wolf and Cub, Sex and Fury e Shogun Assassin. Filmes modernos japoneses como Azumi e animes como Shigurui continuam a tradição chambara. Quentin Tarantino homenageou esse estilo com a série Kill Bill. Outros filmes tais como The Machine Girl e Tokyo Gore Police adotam estilos do chambara, combinado com horror.

Eco-terror - Esses filmes exploram as revoltas da Natureza, mostrando animal ou grupos de animais mais agressivos do que o usual das espécies. E que aterrorizam humanos. Esse subgênero começou na década de 1950 com o temor dos efeitos no ambiente dos testes nucleares, principalmente a geração de monstros gigantescos. Era comum criaturas pré-históricas serem "acordadas" pelas explosões, ou animais comuns que sofriam mutações em decorrência da exposição à radiação. Dentre esses filmes estão Godzilla, Them! e Tarântula. Na década de 1970 houve um ressurgimento, dessa vez culpando a poluição provocada por corporações e militares irresponsáveis. Night of the Lepus, Frogs e Godzilla vs. Hedorah são exemplares desse tipo. Após o grande sucesso de Steven Spielberg e seu filme de 1975 Jaws, um grande número de filmes similares foram produzidos na sequência: Alligator, Cujo, Day of the Animals, Great White, Grizzly, Humanoids from the Deep, Monster Shark, Orca, The Pack, Piranha, Prophecy, Razorback, Tentacles e Tintorera. Roger Corman foi um grande produtor desse subgênero. Em anos recentes verificou-se uma revitalização desses filmes com o lançamento de Mulberry Street e The Last Winter, que abordam o aquecimento global e a superpopulação.

Mockbusters - Esses filmes são cópias de grandes sucessos dos estúdios principais. A produtora The Asylum que prefere o nome para seus filmes de "tie-ins", é uma proeminente realizadora nesse subgênero. Historicamente são mais associados ao cinema italiano, que fez várias imitações de Westerns, da série com James Bond e filmes de zumbis. The Asylum recebeu uma ordem judicial para interromper The Day the Earth Stopped para vídeo, produzido na esteira de The Day the Earth Stood Still.

Nos anos 1950 houve The Monster of Piedras Blancas (claramente derivado de Creature from the Black Lagoon) mas só foi reconhecido como subgênero com os filmes dos anos de 1970 como Starcrash, Dünyayi Kurtaran Adam e Süpermen dönüyor, sendo que esses dois últimos usavam sem autorização a música de John Williams para Star Wars.

Shockumentary - São documentários ou quase-documentários com temas sensacionalistas envolvendo costumes exóticos e mórbidos ao redor do mundo. Explorando cenas chocantes, abordam tabus sobre a morte, por exemplo. O primeiro e melhor conhecido filme é Mondo Cane. Outros incluem Shocking Asia e as séries Faces da Morte, Atrocidades e Traços da Morte.

Ozploitation - Abordando temas de horror, erotismo e crime, essa onda surgiu na Austrália nas décadas de 1970 e 1980. Naquele país houve uma reforma da classificação dos filmes em 1971 e impulsionou a produção de baixo orçamento, com investidores beneficiados por isenções tarifárias e procurando o mercado exportador. Personagens lacônicos e cenas no deserto apareciam em muito desses filmes, levando a classificação de um subgênero. Como exemplares estão o conhecido Mad Max além de Alvin Purple, Patrick e Turkey Shoot; um documentário sobre essa história é Not Quite Hollywood: The Wild, Untold Story of Ozploitation!.

Rape 'n Revenge - São filmes que uma mulher é violentada e deixada à morte, recupera-se e parte para uma vingança sanguinolenta contra os agressores. Um bem conhecido é I Spit on Your Grave (também chamado de Day of the Woman). Em geral a protagonista desses filmes é uma mulher independente e bem-sucedida, violada por pessoas comuns, normamente caipiras ou ermitões. Carol J. Clover no livro feminista Men, Women, and Chainsaws: Gender in the Modern Horror Film examina as implicações desse subgênero, que pode ser explicado como uma variação dos filmes de vigilantes masculinos. Jacinda Read defende que estupro/vingança não seria um subgênero próprio mas sim uma estrutura narrativa presente em filmes de diferentes gêneros tais como "suspense" (Ms. 45), "dramas" (Lipstick), "faroestes" (Hannie Caulder), e filmes de arte (Memento). Um dos mais significativos exemplares, The Last House on the Left, é uma refilmagem sem créditos do filme de Ingmar Bergman de 1960 The Virgin Spring, mudado para um filme de horror extremamente violento. Deliverance, em que o estuprado é um homem, é creditado como o precursor do subgênero. Outros restrigem à esse subgênero somente os filmes em que a mulher é a vítima a partir para a vingança. Uma luta contra o sistema legal é visto em The Accused.

Camp - Os "camps" são filmes de mau gôsto proposital, quase um brega assumido. Um exemplo é o caso do filme The Abominable Dr. Phibes (1971) e praticamente toda a franquia da Troma Entertainment.

Splatstick - É uma variação do termo "splatter", mas com um alto teor humorístico. Alguns exemplos do gênero são Bad Taste, Brain Dead (1992), Evil Dead: Dead by Dawn (1987) e Shaun of the Dead (2004).

Drive-in Movies - Filmes produzidos para o grande mercado de cinemas ao ar livre dos EUA nos anos 50/60. Sucessores dos filmes B, praticamente toda a estrutura dos "drive-in movies" eram produzidas ao público teen como por exemplo I Was a Teenage Werewolf (1957) e Teenage Frankenstein (1958), do produtor Herman Cohen que também flertou com uma extensa filmografia voltada aos drive-ins.

Cult - Refere-se aos filmes que se tornaram objeto de culto quase fanatizado onde os fãs lotavam as salas todas as noites, repetindo diálogos, trechos do filme e interagindo com a tela. Entre eles estão: Plan 9 From Outher Space (1959), Night of the Living Dead (1961), Rock Horror Picture Show (1975), Evil Dead (1981), Basket Case (1982) e Fome Animal (1992).

Expressionismo - Movimento artístico e estético surgido na Alemanha nos anos 20 e possívelmente a base de todos os filmes de horror. Luzes, sombras, cenários distorcidos e interpretações teatrais para "expressar" o verdadeiro horror e a loucura humana. The Gabinet of Dr. Caligari (1919), Nosferatu (1922), Faust (1926) e M: Eine Stadt sucht einen Mörder (M: O Vampiro de Dusseldorf - 1931) são alguns exemplos de obras-primas do cinema expressionista de horror.

Shock Films - São filmes que trazem bastante realismo e violência gráfica, simulações de zoofilia e referências a incesto, necrofilia, canibalismo e sadismo. Exemplos são Antichrist, August Underground's Mordum, Baise-moi, Blood Sucking Freaks, Combat Shock, I Drink Your Blood, Fight for Your Life, Hostel, House of 1000 Corpses, I Spit on Your Grave, Ilsa, She Wolf of the SS e suas sequências, Irréversible, Last House on Dead End Street, The Last House on the Left, Men Behind the Sun, Nekromantik, Pink Flamingos, Salò o le 120 giornate di Sodoma (Salo or The 120 Days of Sodom), SICK: The Life & Death of Bob Flanagan, Supermasochist, Snuff, Ta Paidia tou Diavolou (Island of Death), Thriller - en grym film (Thriller: A Cruel Picture) e Vase de Noces (Wedding Trough/One Man and his Pig/The Pig Fucking Movie).

Woman in Jail - Esses filmes emergiram na década de 1970 e permanecem como um subgênero popular até hoje. Primariamente "voyeristas" e fantasiosos sobre a vida sexual em presídios femininos, com farta exibição de nudismo, lesbianismo, assédio sexual, humilhação, sadismo e rebelião. Dentre os exemplares estão os filmes de Roger Corman (Women in Cages e The Big Doll House), Bamboo House of Dolls, Barbed Wire Dolls de Jesus Franco, Women's Prison Massacre de Bruno Mattei, Reform School Girls de Tom DeSimone e Caged Heat de Jonathan Demme.


REFERÊNCIAS PARA ESTA MATÉRIA

SITES E BLOGS
http://lua-vermelha-vampiros.blogspot.com
http://www.mnemocine.com.br/oficina/horror.htm
http://www.horrormovies.com
http://www.houseofhorrors.com
http://www.imdb.com
http://www.drcasey.com
http://www.edhouse.clara.net
http://www.cinema.com.br/blogs/a-historia-do-cinema-de-horror/pdf.html
http://gorebahia.com/2010/08/27/festivais-e-videoclipes-ou-o-genero-horror-dominara-o-mundo/
http://www.elfenliedbrasil.com/2010/10/voce-sabe-diferenca-entre-terror-e.html
http://bocadoinferno.com/
http://nudoeselvaggio.blogspot.com/
http://www.revistacinetica.com.br/euapsl.htm
http://zinepungentoeextremo.blogspot.com/
http://pt.scribd.com/doc/22343971/Uma-Arque-Genealogia-Do-Cyberpunk-Adriana-Amaral
http://forums.otserv.com.br/showthread.php?20653-G%EAneros-de-Filmes
http://filmesparadoidos.blogspot.com/
http://palavrasnopapel.wordpress.com/artigos/the-thriller-filmes-genero-thriller/
http://cinema.uol.com.br/ultnot/2011/04/09/mistura-de-generos-caracteriza-cinema-indiano-veja-lista-com-sugestao-de-10-filmes-para-assistir.jhtm
http://www.troma.com/
http://www.toetagpictures.com/
http://www.slaughteredvomitdolls.com/
http://badbehavior.wordpress.com/2011/03/19/questoes-sobre-o-cinema-de-terror-contemporaneo-parte-1/
http://upallnightvideos.blogspot.com/2010/04/conheca-os-subgeneros-slasher-flicks.html
http://pt.scribd.com/doc/52760798/19/Subgeneros

Arquivos internos do site Gore Boulevard.

REVISTAS
Filmfax.
Fangoria.
Chiller Theater Inc.
Horror Show.
Cinefantastique.
SET: Cinema e Ficção.
Starlog.
Terror Magazine.
Arquivos internos do site Gore Boulevard.

LIVROS
The Rise & Fall of the Horror Film - Dr. David Soren.
Dança Macabra (Dance Macabre, 1981, Editora Francisco Alves).
O Horror Sobrenatural na Literatura (Supernatural Horror in Literature, Francisco Alves, 1987.
O Livro dos Vampiros: A Enciclopédia dos Mortos-Vivos - Makron Books, 1994 - J. Gordon Melton.
The Overlook Film Encyclopedia - Horror. Overlook Press, 1992 editado por Phil Hardy.
Legendary Horror Films - Metrobooks, 1995 - Peter Guttmacher.
Ivampirismo: O Cinema em Pânico - EBAL, 1990 - Ivan Cardoso e R. F. Lucchetti.
Dissecando Stephen King (Bare Bones: Conversations on Terror with Stephen King, 1990, Martins Fontes) - Tim Underwood e Chuck Miller.
Manifesto Canibal - Achiamé, 2004 - Peter Baiestorf e Coffin Souza.
Zumbis: O Livro dos Mortos (Book of the Dead: The Complete History of Zombie Cinema, 2010, Editora Barba Negra) - Jamie Russell.
Arquivos internos do site Gore Boulevard.

Leia mais: http://goreboulevard.webnode.com.br/novidades/alter-ego/sangue-tosko/


[ leia também: PARTE 1 - PEQUENA HISTÓRIA DO HORROR NO CINEMA ]
[ leia também: PARTE 2 - E O GÊNERO HORROR AVANÇA PELA DÉCADAS SEGUINTES ]

Por Iam "Gore" Godoy



Comentários  

0 #1 RE: O Horror, essa estranha hidra - Parte 3Márcio 05-10-2012 15:24
Parabéns pela fantástica reportagem! Um tapa na cara daqueles que pensam que o horror não tem fundamento algum!
Citar
0 #2 RE: O Horror, essa estranha hidra - Parte 3Anderson 08-10-2012 18:08
Muito legal. Só não entendi o lance da biodiversidade.
Citar

Coluna Sangria

Banner
Facebook Page: estronhobook Twitter: estronho YouTube: EditoraEstronho
Nós temos 17 visitantes online