(18 votes)


Tenho uma tia chamada Maria. Ela é meia irmã da minha mãe. Quando era jovem morou por um tempo em São Luis do Maranhão. Eu ainda menina me lembro de certa tarde, ela ter me contado uma história que até hoje não esqueci. Eu sempre gostava de ir ao cimitério no dia de finados com minha mãe, levar coroas de flores e acender velas, enfim prestrar nossas homenagens aos entes queridos falecidos. Depois desta história confesso que fiquei mais receiosa com túmulos.

Minha tia me contou que em uma tarde há muito tempo atrás, foi em um enterro, era de um senhor que havia falecido em São Luis. Ela me contou que o cemitério era imenso e que depois das oratórias junto ao caixão, ela começou a passear pelo vasto cemitério. Ficou andando e andando e quando se deu conta estava a uma distância razoável do enterro. Mesmo assim ela continuou passeando por entre os túmulos e lendos as mensagens e vendos as fotos dos mesmos. Estava distraída quando o que ela viu na sua frente chamou sua atenção. Parando, ela fitou um túmulo quebrado, bem ali, próximo aos seus olhos. A curiosidade falou mais alto e ela se aproximnou mais; quando ela baixa o semblante para dentro do túmulo ela fica estagnada. Admirada ela ver restos mortais de alguém. Alguns cabelos no crânio,assos... Enfim, aquilo a deixou tão admirada que ela não tirava os olhos. De repente ela me relatou que começou a sentir uma dormencia, ficou paralisada sem poder se mexer, não conseguia se deslocar e nem os cabelos na cabeça conseguia sentir...

Uma voz bem próxima de seu ouvido murmurou uma advertencia ou reclamação com estes termos:
- O que você ta vendo aí?

Minha tia não conseguiu responder devido a dormencia e o mal estar. Continuou ali, parada sem olhar seguer pros lados, novamente aquela situação se repete e ela escuta a mesma voz perguntando de novo como se ela  estivesse irritando alguém. Nesta hora minha tia contou que conseguiu falar e disse que nada. Saiu rapidamente daquele local e quiz correr,ganhando forças na perna ela começou a andar rápido, olhando para frente não pode ver mais ninguém do enterro, estava sozinha no cemitério, já tava escurecendo, sentiu o corpo ficar mole como se estivesse com febre, e no seu intimo sentia alguém a seguindo.

À noite ela estava deitada na sua rede, morava com uma amiga chamada Rosa, estava a queimar em febre, fechava os olhos e via como uma imagem de alguém na sua frente, nada fazia ela dormir. Naquele estado assombrosso ela pediu para Rosa ajudá-la. Contou-lhe tudo que havia ocorrido e imediatamente Rosa leou ela em uma benzendeira, naquela mesma noite, afim de que a febre passasse. Depois da benzendeira ter analisando o estado da minha tinha ela teve uma única conclusão, que a relatou.

Disse para minha tia que ela estava assombrada, sofrendo de um tipo de obsessão.A causa daquilo tudo foi o fato dela ter admirado aqueles restos mortais no cemitério.

Minha tia conseguiu voltar pra casa melhor e nunca mais acho que ela não admira mais nada em túmulos quebrados!

Obrigada a todos!

Comentários  

+6 #1 RE: O Túmulo QuebradoJason Belmont 04-02-2013 18:48
Realmente, fiquei espantado e adorei a história! Na hora em que li "-O que você ta vendo ai?", confesso que senti um forte arrepio! hahsuahsua
Muito boa!
Citar

No Cemitério

Facebook Page: estronhobook Twitter: estronho YouTube: EditoraEstronho
Nós temos 31 visitantes online